Aguarde, por favor...

Protocolos de Tratamento

PROTOCOLO DE PÉ DIABÉTICO

“… é incapaz de vê-los devido aos problemas visuais e incapaz de senti-los devido á perda de sensibilidade”. BLOOM, 1997

DEFINIÇÃO

Alteração clínica de etiopatogenia neuropática, induzida pela hiperglicemia de longa duração, associada ou não à isquemia que produz a quebra de integridade dos pés.

CLASSIFICAÇÃO DE WAGNER


DIABETES

  • Prevalência na população mundial 7 – 10%
  • 20% das internações dos diabéticos são devido ao pé diabético
  • 2/3 das amputações não traumática são realizados em diabéticos

AMPUTAÇÕES

  • Incidência – 37 a 137 em 10 000 amputações
  • Nível de amputação – Pé 9%, Perna 31%, Joelho ou acima 30%.
  • Cerca de 22% dos pacientes necessitam de mais de uma amputação
  • Em 2 anos – 50% são submetidos à amputação
  • Em 5 anos – 50% risco de amputação bilateral
  • Em 5 anos – 75% dos amputados vão a óbito

PÉ EM RISCO

Aparentemente sem lesões

– Pele seca e descamativa
– Pequenas calosidades
– Tendência dos dedos em garra
– Unhas quebradiças-onicomicose
– Tinha pedis
– Isquemia
– Dor grau variável
– Presença ou não de pulsos arteriais

Lesões cutâneas:
                     – Fissuras
                     – Úlceras
                     – Necrose
                     – Gangrena

– Gradiente térmico
– Zona de cianose e palidez
– Neuropático
– Calosidade plantar e dedos
– Pele seca e descamativa
– Dedos em garra e em martelo
– Deformidades osteo-articulares – Pé de Charcot
– Mal perfurante plantar Profundo
– Infeccioso – Celulite plantar
– Mal perfurante Superficial
– Tinha pedis
– Tendão, articulação
– Paroniquia
– Osteomielite
– Úlcera superficial
– Abscessos
– Celulite

ROTINA DIAGNÓSTICA

  • Raios-X simples e ou scan ósseo com tecnécio
  • Exames laboratoriais
  • Doppler segmentar
  • Angiografia – Arteriografia
  • Ressonância magnética – para extensão da lesão

TRATAMENTO – CURATIVOS

  • Diários
  • Assépticos
  • Não utilizar soluções citotóxicas (Solução Povidine 1%, Peróxido de oxigênio 3%, Solução de Hipoclorito de Sódio 0,5%)
  • Irrigação da lesão:
  • Solução salina 0,9%
  • À jato sob pressão
  • Desbridamento com exérese de tecido necrótico e desvitalizado
  • Cobertura conforme aspecto da ferida e protocolo de curativos

TRATAMENTO UTILIZANDO-SE CLASSIFICAÇÃO DE WAGNER

Grau 0: Tratamento clínico

  • Acompanhamento ortopédico (prevenção)
  • Controle dos pontos de pressão
  • Educação cuidados com os pés
  • Uso de muletas (neuropático) – ↓ pressão
  • Cuidados locais diários.


Grau 1 e 2: Controle metabólico

  • Desbridamento diário
  • Curativos – conforme protocolo de curativos
  • Uso de muletas (neuropático)
  • Antibioticoterapia se infecção presente


Grau 3: Avaliação de doença arterial e comprometimento ósseo

  • Terapia necessária para patologia acima
  • Debridamento
  • Controle da infecção
  • Curativos – conforme protocolo de curativos
  • Prevenir pressão sobre a lesão


Grau 4 e 5: Avaliação de doença arterial e ósseo

  • Terapia necessária para patologia acima
  • Hospitalização urgente – Consulta cirúrgica
  • Debridamento ou amputação
  • Controle da infecção
  • Curativos – conforme protocolo de curativos
  • Prevenir pressão sobre a lesão

INDICAÇÕES PARA

OXIGENOTERAPIA HIPERBÁRICA SEGUNDO CLASSIFICAÇÃO DE WAGNER


  1. Todas as lesões graus II a IV
  2. Mais de noventa dias de tratamento sem sucesso.
  3. Infecção de difícil controle (germe multi-resistente)
  4. Lesão classe V para delimitação e restrição do nível de amputação

PROGRAMAÇÃO

Oxigenoterapia Hiperbárica

Pressão de 2,5 ATA


Tempo de 90 a 120 minutos, conforme câmara monoplace ou multiplace


40 a 60 sessões em 95% dos casos


Continuar OHB até condições de enxertia e/ou cicatrização ou amputação


NOTA: Presença de isquemia crítica (1b a 4b) deve-se tratar concomitantemente com revascularização em caso de não haver contra-indicação.


OBJETIVOS

– Controlar infecções refratárias
– Diminuir a Taxa de amputações
– Diminuir o Tempo de internação
– Abreviar o tempo de cicatrização
– Melhora evidente da granulação
– Diminuir a Taxa de ÓBITO


OUTROS PROTOCOLOS




logo-cmmh copy

Conforto e segurança para o seu paciente, tranquilade e confiança para você. Pioneiros em Oxigenoterapia Hiperbárica em Minas Gerais, com 16 anos de atividade, o Centro Mineiro de Medicina Hiperbárica oferece um trabalho de excelência e referência.

Centro Mineiro de Medicina HIperbárica, 2017. Todos os direitos reservados.